Superintendente da Sanebavi conhece tecnologia de tratamento de água utilizada na cidade de Indaiatuba

Sanebavi realiza desassoreamento na caixa de areia da Represa I
12 de maio de 2017
Sanebavi inicia projeto arquitetônico para barreira acústica e visual na ETA 3
18 de maio de 2017

Metodologia econômica e eficaz está sendo estudada para ser implantada na ETA 3 e nas demais Estações de Tratamento de Água de Vinhedo

 

Em busca de alternativas tecnológicas para a operacionalização da ETA 3 – Capivari, o superintendente da Sanebavi, Danilo Ferraz e o diretor do Departamento de Estações de Tratamento de Água,  Sergio Antunes Silva, estiveram em visita à SAAE – Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Indaiatuba, nesta segunda-feira dia 15,  para conhecer o sistema de tratamento empregado pelo município. 

 

 Dentre as tecnologias adotadas em Indaiatuba está a desinfecção por meio de hipoclorito de cálcio, um método simples, entretanto, considerado altamente seguro e eficaz no processo de desinfecção e inativação de microrganismos patogênicos. Essa metodologia é muito utilizada no CEDAE – Companhia de Saneamento do Estado do Rio de Janeiro e foi implantada em Indaiatuba há cerca de um ano, e desde então, vem apresentando excelentes resultados de performance nas estações de tratamento. 

 

O processo a base de hipoclorito de cálcio, de acordo com a avaliação do superintendente da Sanebavi, é ideal para Vinhedo. “Obtivemos todas as referências sobre a utilização do hipoclorito de cálcio para o tratamento da água e nossa intenção é implantarmos na ETA 3 e posteriormente nas demais estações de Vinhedo. Trabalhamos sempre em  busca do que há de melhor em questão de praticidade, qualidade, economia e proteção do Meio Ambiente, e sobretudo, que ofereça o máximo de segurança tanto para os servidores como também para a população residente no entorno das instalações operacionais”,  afirmou Danilo Ferraz, que revelou ainda, ter realizado outros estudos técnicos, como por exemplo, as opções de membrana e ozônio, ambas descartadas por questões de alto custo e dificuldades em aquisição dos produtos e equipamentos por se tratarem de tecnologias importadas.

 

O diretor de Tratamento e Manutenção da SAAE, João Binelli, explicou que a implantação de aplicação do hipoclorito de cálcio em substituição ao cloro gasoso nas estações de Indaiatuba trouxe inúmeras vantagens para o departamento. “Para a utilização do cloro gasoso é necessário uma série medidas de segurança preventivas durante o  transporte, armazenamento, confinamento, além de elevado custo do produto e dos equipamentos empregados para a aplicação segura.  Embora o hipoclorito de cálcio também seja um produto químico, este por sua vez, não requer cuidados extras, pois se trata de um produto seguro que o acondicionamento e aplicação são simples, o que o torna economicamente viável”, afirmou.

 

Durante a visita técnica todas as instalações, tanques, área de aplicação e controle de produtos, laboratórios, sala do supervisório “CCO” e infraestrutura da ETA 1 – Vila Avaí foram apresentadas e explicadas pelo responsável técnico das ETAs, Albérico Bezerra da Silva Filho. 

 

 

Tamanho da fonte
Contraste