SANEBAVI - Saneamento Básico Vinhedo


 

Dicionário Ambiental

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V 


 

A

 

Aeração - Reoxigenação da água com ajuda do ar. A taxa de oxigênio dissolvido, expressa em % de saturação, é uma característica representativa de certa massa de água e de seu grau de poluição. Para restituir a uma água poluída a taxa de oxigênio dissolvido ou para alimentar o processo de biodegradação das matérias orgânicas consumidoras de oxigênio, é preciso favorecer o contato da água e do ar. A aeração pode também ter por fim a eliminação de um gás dissolvido na água: ácido carbônico, hidrogênio sulfurado.

 

Adutora - Tubulação normalmente sem derivações que liga a captação ao tratamento da água, ou o tratamento à rede de distribuição.

 

Afluente ou Tributário - Qualquer curso d'água que deságua em outro maior, ou num lago, ou lagoa.

 

Agenda 21 - Plano de metas voltado para os desafios do século XXI (daí seu nome). Traçado pelos governos mundiais, tem como base a definição de um programa que inclui a criação de mecanismos de financiamento para projetos de preservação ambiental e de transferência de tecnologias e ainda o estabelecimento de normas jurídicas para a proteção da biosfera.

 

Água - Forma líquida do composto químico H2O. A água é essencial para a vida.

 

Água capilar - Umidade líquida presa entre grãos de solo, seja por atração eletrostática entre as moléculas minerais e da água, seja por forças osmóticas.

 

Aguaceiro - Chuva pesada e intensa que cai repentinamente. Associada ao verão e aos cúmulos-nimbos.

 

Água-cinza - Termo geral para água servida, domestica, que não contém contaminação de esgoto ou fecal. Um exemplo de água-cinza é o efluente de máquinas de lavar roupa.

 

Água conata - água que foi captada nos espaços porosos de rochas sedimentares desde a época em que os sedimentos originais foram depositados.

 

Água de captação - Qualquer rio, lago ou oceano em que a água servida tratada ou não-tratada é finalmente descarregada.

 

Água de esgoto - Corrente de água servida que é drenada de um pátio de fazenda, de um monte de escória ou de uma rua.

 

Águas interiores - As águas que ocupam as reentrâncias do litoral, como, as baías, abras, recôncavos, enseadas, etc.

 

Água de mineração - 1) água salgada ou pasta aquosa contendo os materiais minerais dissolvidos ou sólidos que são extraídos durante o processo de mineração fluída. 2) água retirada de recursos subterrâneos.

 

Água de reposição - água requerida para substituir a usada num sistema ou perdida por ele. A água de reposição inclui a usada para substituir a água que escoa de um sistema de irrigação e, mais comumente, aquela perdida numa torre de refrigeração usada na geração de energia.

 

Água de superfície - Ocorrência de água na superfície da terra. Cf ÁGUA SUBSUPERFICIAL.

 

Água de tempestade - Volume de escoamento de fluxo de água subterrânea, de fluxo de rio, atribuído a um evento de tempestade.

 

Água doce - água que contém muito pouco sal (menos de 0,05 por cento), em comparação com a água salobra (que tem entre 0,05 e 3 por cento), como a dos rios, lagos e lagoas.

 

Água do mar - A água salina do oceano. Os componentes dissolvidos da água do mar montam a uma média de 34 partes por mil medidas por peso.

 

Água doméstica - Fonte de água disponível para uso doméstico e geralmente distribuída por um sistema de tubulações.

 

Água dura - água subterrânea com sais minerais dissolvidos, geralmente carbonato de cálcio (ou uma combinação de cálcio e magnésio). A água dura não espuma bem com sabão, forma depósitos (escama, CaC03 ou MgCO) em chaleiras e tanques de água quente, e, em casos mais extremos, pode entupir as tubulações, formando depósitos de cálcio nos canos de água. O tratamento com amaciantes de água remove grande parte do cálcio e do magnésio por meio da troca de íons. Comumente, a água dura é misturada com cloreto de sódio (sal de mesa); o sódio "amacia" a água, substituindo grande parte do cálcio durante o processo de troca de íons.

 

Água freática - água que ocupa os vãos dentro de uma rocha ou solo num nível abaixo do lençol de água.

 

Água gravitacional - água que se move através do solo sob a influencia da gravidade. Um solo não pode se tornar saturado até que a água gravitacional tenha assentado.

 

Água juvenil - água que é quimicamente derivada do magma durante o processo de formação mineral. A água juvenil nunca circulou no cicIo da água.

 

Água-marinha - Pedra semipreciosa azul, constituída pelo minério berilo. O berilo é um silicato de alumínio e de berílio que forma cristais hexagonais nos pegmatitos.

 

Água meteórica - água recentemente derivada de processos atmosféricos (chuva, neve, saraiva).

 

Água pesada - água que contém grande proporção de moléculas como o isótopo de deutério de hidrogênio em vez do hidrogênio comum (escrito como D2O ou HDO). Tais moléculas são encontradas em quantidades muito pequenas na água comum. A água pesada, também chamada de óxido de deutério, e usada como um moderador em alguns reatores nucleares.

 

Água potável - Termo que descreve a água que e segura e palatável para consumo humano.

 

Água receptora - Qualquer rio, lago ou oceano em que a água servida tratada ou não-tratada é descarregada.

 

Água-régia - Mistura de acido clorídrico e acido nítrico concentrado numa proporção de 3 para 1 por volume de HCl para HNO3, a água-régia (que significa água real) é um oxidante muito poderoso e suficientemente forte para dissolver todos os metais, inclusive o ouro e a platina.

 

Água salgada - Água que contém concentrações significativas de sal (acima de 3 por cento), como a encontrada nos oceanos. Cf ÁGUA DOCE, SALOBRA.

 

Água salgada quente - Corpo de água de nascente que é aquecida geotermicamente, sendo, portanto, rica em minerais dissolvidos.

 

Água servida - 1) Termo geral aplicado ao vazamento de água de um reservatório. 2) Termo geral para o efluente de um sistema de esgoto residencial ou municipal.

 

Água servida in natura - Lixo aquoso civil ou industrial que não passou por purificação ou tratamento.

 

Águas interestaduais - Termo aplicado a rios e vertentes ou bacias de captação que se situam dentro de dois ou mais limites políticos estaduais.

 

Água subsuperficial - Termo que se aplica a toda água abaixo da superfície da terra, nas formas sólida, líquida ou gasosa. A água subsuperficial inclui a do solo, do fundo de rocha e da litosfera. Cf ÁGUA DE SUPERFÍCIE.

 

Água subterrânea - Toda a água que está contida nos espaços porosos de rochas e no solo abaixo da elevação do lençol freático.

 

Água vadosa - Ver ÁGUA FREÁTICA.

 

Autodepuração da água - Processo natural de purificação da água, que reduz a poluição orgânica. Por exemplo, há espécies de plantas aquáticas que absorvem poluentes.

 

Alcalinidade da água - Qualidade da água em neutralizar compostos ácidos, em virtude da presença de bicarbonatos, hidróxidos, boratos, silicatos e fosfatos. Esgotos são alcalinos, por receberem materiais de uso doméstico com estas características.

 

Aqüífero - Formação porosa (camada ou estrato) de rocha permeável, areia ou cascalho, capaz de armazenar e fornecer quantidades significativas de água.

 

Amazônia Legal - Toda a região da bacia amazônica, incluindo parte do norte de Mato Grosso, de Minas Gerais, de Goiás, do Tocantins e do oeste do Maranhão, segundo fixado em lei.

 

Anaeróbico - Organismo que não necessita de oxigênio.

 

Áreas naturais de proteção - Essas áreas são protegidas para fins de manutenção de biodiversidade, pesquisas científicas e conservação de ecossistemas. No Brasil, são divididas em Unidades de Conservação, todas protegidas por leis, e que são as seguintes:

  • Áreas naturais tombadas - áreas ou monumentos naturais cuja conservação é de interesse público, por seu valor ambiental, arqueológico, geológico, histórico, turístico ou paisagístico. Podem ser instituídas em terras públicas ou privadas.

  • áreas de proteção ambiental - áreas voltadas para a conservação da vida silvestre, os recursos naturais e a manutenção de bancos genéticos, além da preservação da qualidade de vida dos habitantes da área. A ocupação acontece por meio de zoneamento ambiental pelo poder político, juntamente com universidades e ONGs. Podem ser federais ou estaduais.

  • Áreas de relevante interesse ecológico - Apresentam os mesmos objetivos que as anteriores, com a particularidade de que nestas últimas a extensão territorial é sempre menor, mas as restrições às atividades humanas são sempre maiores. Podem ser federais, estaduais ou municipais.

  • Áreas sob proteção especial - A proteção especial é uma primeira instância de preservação de áreas ou bens, que após estudos mais detalhados podem ter seu status ampliado. São definidas por resolução federal, estadual ou municipal, em áreas de domínio público ou privado.

  • Estações ecológicas - áreas representativas de ecossistemas naturais destinadas a pesquisas ecológicas, proteção do meio ambiente e desenvolvimento de uma educação voltada para o preservacionismo. Precisam Ter no mínimo 90% de sua área destinada à conservação integral do ecossistema. Podem ser criadas pela União, estados ou municípios.

  • Parques - áreas de extensão considerável, pertencentes ao poder público, com grande variedade de espécies e habitats de interesse científico, educacional ou recreativo. Devem estar abertos à visitação pública. Podem ser criados pelo governo federal ou pelos estados.

  • Reservas biológicas - áreas de tamanhos variados cuja característica básica é conter ecossistemas ou comunidades frágeis, em terras de domínio público e fechadas à visitação pública. Podem ser declaradas pela União ou pelos estados.

  • Reservas florestais - áreas de grande extensão territorial, inabitadas, de difícil acesso e ainda em estado natural. Devem ser protegidas até que se estabeleça seu status e se proceda a sua inclusão em outra categoria de Unidade de Conservação.

 

Área contaminada - área onde há comprovadamente poluição causada por quaisquer substâncias ou resíduos que nela tenham sido depositados, acumulados, armazenados, enterrados ou infiltrados, e que determina impactos negativos sobre os bens a proteger.

Área degradada - área onde há a ocorrência de alterações negativas das suas propriedades físicas, tais como sua estrutura ou grau de compacidade, a perda de matéria devido à erosão e a alteração de características químicas, devido a processos como a salinização, lixiviação, deposição ácida e a introdução de poluentes.

 

Área de proteção ambiental (APA) - Categoria de unidade de conservação cujo objetivo é conservar a diversidade de ambientes, de espécies, de processos naturais e do patrimônio natural, visando a melhoria da qualidade de vida, através da manutenção das atividades sócio-econômicas da região. Esta proposta deve envolver, necessariamente, um trabalho de gestão integrada com participação do Poder Público e dos diversos setores da comunidade. Pública ou privada, é determinada por decreto federal, estadual ou municipal, para que nela seja discriminado o uso do solo e evitada a degradação dos ecossistemas sob interferência humana.

 

Área de relavante interesse ecológico (ARIE) - É declarada por ato do Poder Público e possui características extraordinárias ou abriga exemplares raros da biota regional, com, preferencialmente, superfície inferior a cinco mil hectares.

 

Arrasto - Atividade de pesca em que a rede é lançada e o barco permanece em movimento. É uma prática considerada predatória quando a malha das redes é pequena, fora dos padrões fixados pelo IBAMA, pois nestes casos há captura de peixes e outros organismos aquáticos jovens. Outro prejuízo causado pelo arrasto é o revolvimento do fundo do mar, o que prejudica sensivelmente o ambiente e a fauna bentônica (que vive no fundo).

 

Assoreamento - Processo em que lagos, rios, baías e estuários vão sendo aterrados pelos solos e outros sedimentos neles depositados pelas águas das enxurradas, ou por outros processos. Obstrução do leito de um canal, estuário ou rio por sedimentos; isso geralmente ocorre devido à erosão das margens ou redução da correnteza. A mineração é um dos agentes diretos ou indiretos desse processo.

 

Aterro controlado - Aterro para lixo residencial urbano, onde os resíduos são depositados recebendo depois uma camada de terra por cima. Na impossibilidade de se proceder a reciclagem do lixo, pela compostagem acelerada ou pela compostagem a céu aberto, as normas sanitárias e ambientais recomendam a adoção de aterro sanitário e não do controlado.

 

Aterro sanitário - Aterro para lixo residencial urbano com pré-requisitos de ordem sanitária e ambiental. Deve ser construído de acordo com técnicas definidas, como: impermeabilização do solo para que o chorume não atinja os lençóis freáticos, contaminando as águas; sistema de drenagem para chorume, que deve ser retirado do aterro sanitário e depositado em lagoa próxima que tenha essa finalidade específica, vedada ao público; sistema de drenagem de tubos para os gases, principalmente o gás carbônico, o gás metano e o gás sulfídrico, pois, se isso não for feito, o terreno fica sujeito a explosões e deslizamentos.