Prefeito Milton Serafim sanciona Lei de Saneamento Básico de Vinhedo

ETE Capivari tem base do segundo tanque concretada
15 de março de 2018
Sanebavi realiza interligação de rede na Vila Pompeia
15 de março de 2018

O prefeito de Vinhedo, Milton Serafim, sancionou a Lei Complementar n°  119, de 28 de novembro de 2012 que institui a Política Municipal de Saneamento Básico e o Plano Municipal de Saneamento Básico de Vinhedo. 

 

A sanção foi publicada na edição desta quinta-feira, 13, do Boletim Municipal e será regulamentada no prazo de 90 dias.

 

“Vinhedo faz parte de um seleto grupo de cidades que trata 100% do esgoto coletado. E para mantermos esse índice essa Lei será fundamental para nortear as ações e investimentos em saneamento básico nos próximos anos, melhorando a saúde pública das futuras gerações e preservando o meio ambiente”, afirma o prefeito de Vinhedo Milton Serafim.

 

Com a lei, será instituído o Conselho Gestor do Saneamento Básico, formado por representantes do poder público e da sociedade civil e que terá entre outras funções definir metas e prioridades para universalizar o acesso aos serviços de saneamento.

 

Para auxiliar nesse trabalho também passa a existir o Fundo Municipal de Saneamento Básico que ficará vinculado à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo – SEMAURB.  Para viabilizar os projetos aprovados pelo Conselho Gestor, os recursos poderão vir de dotações orçamentárias do município ou de fundos estaduais e federais, entre outros.

 

O Plano Municipal de Saneamento Básico será quadrienal e deverá ser revisto a cada dois anos durante a realização do Fórum de Saneamento e Meio Ambiente que acontecerá durante o mês de março com representantes dos diversos segmentos sociais para avaliar a situação do saneamento básico e meio ambiente do município.

 

Vinhedo é uma das poucas cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) a apresentar e sancionar o plano antes do prazo final em 31 de dezembro de 2013, estipulado pelo Governo Federal.

 

A partir de 2014 os municípios que não instituírem planos de saneamento básico não terão acesso aos recursos federais ou aos geridos e administrados por órgão ou entidade da União destinados a serviços de saneamento básico.

 

Tamanho da fonte
Contraste